5 dicas simples para começar a fazer investimentos financeiros

5 dicas simples para começar a fazer investimentos financeiros

 

A maior parte das pessoas tem uma série de despesas que precisa de liquidar mês após mês, e chegar ao ponto em que as consegue pagar e viver confortavelmente é uma missão por si só.

Mas e quando chegar, de facto, a esse ponto?

Bem, essa será a altura em que pode começar a pensar em tornar-se um investidor. Quer saber mais? Leia as nossas melhores dicas para começar a realizar investimentos financeiros!

 

1. Decida quanto e quando quer investir

“Quanto?” e “Quando?” são duas perguntas que qualquer iniciante tem de considerar.

A resposta à primeira é relativamente fácil: o nosso conselho é que comece o mais cedo possível. Porquê? Bem, um dos conceitos mais importantes no mundo dos investimentos é o juro composto, que representa a adição dos juros ao capital inicial. 

Considerando que os juros compostos permitem que a sua conta de investimentos entre em modo “bola de neve”, crescendo continuamente, é fácil de perceber porque quanto mais jovem for quando começar a investir, melhor.

Relativamente à pergunta “Quanto?”, não há uma única resposta correta.

De modo a entender qual o valor certo no seu caso, deverá ter três fatores em consideração: quais são os seus objetivos, quando os quer alcançar e, claro, quanto dinheiro possui, de facto, para investir.

Lembre-se de que é essencial ser realista quando considera estes fatores. De outra maneira, o mais provável é que a sua aventura no mundo dos investimentos não corra como planeado, e os seus esforços serão em vão.

 

2. Abra uma conta de investimento

Na nossa primeira dica, referimos uma “conta de investimentos”, que é o tipo de conta onde irá gerir o seu portefólio de investimentos. Ter esta conta à parte é sugerível, porque vai impedir que misture os movimentos e transações que realiza durante o seu quotidiano das atividades relativas aos seus investimentos, mantendo assim tudo organizado.

Hoje em dia, abrir uma conta de investimentos não é difícil. Existem bastantes opções e é até possível fazê-lo online. A nossa sugestão é que analise atentamente e compare os custos inerentes a cada alternativa, assim como as características de cada, de modo a fazer a escolha mais informada.

Algumas opções a considerar são o Bankiter, o Banco de Investimento Global, o BPI, e o Millenium BCP.

 

3. Decida no que quer investir

É nesta terceira fase que as coisas começam a complicar, particularmente se certos conceitos relacionados com investimentos ainda não lhe forem familiares.

Mas não desespere, vai ver que depois de algum estudo, irá compreender perfeitamente os tipos de investimento que pode realizar e, com o tempo, identificar quais os tipos indicados para cada situação tornar-se-á uma tarefa fácil.

Há muito a dizer sobre os diferentes tipos de investimentos - na verdade, esse poderia ser o tema de todo um outro artigo - mas visto que este é um guia para iniciantes, vamos manter as coisas simples:

  • Ações

As ações representam porções do capital social de uma determinada empresa e ao investir nelas, passa a possuir uma parte dos ganhos da mesma.

  • Obrigações

As obrigações representam a dívida de uma determinada empresa (ou do Estado) a terceiros. Ao investir numa obrigação, torna-se credor da empresa (ou, mais uma vez, do Estado).

  • Imobiliário

Durante os últimos anos, Portugal tem atraído um número cada vez maior de imigrantes e turistas, o que são ótimas notícias se estiver a planear investir em imobiliário. Lembre-se apenas de escolher bem a localização da habitação em que quer investir!

  • Startups

O número de startups, quer em Portugal, quer no mundo, está em franco crescimento. Investir em startups é sempre arriscado, visto que estas empresas não têm historial para provar o seu valor, mas a verdade é que nunca se sabe de onde irá aparecer a próxima Tesla ou a próxima Apple. O segredo aqui é usar o seu senso comum e analisar a startup detalhadamente antes de tomar qualquer ação. 

  • Fundos mútuos

Investir em fundos mútuos significa que um profissional irá utilizar o seu dinheiro para realizar diversos tipos de investimentos, tendo sempre como principal objetivo aumentar os seus rendimentos. Esta é uma boa opção se preferir que seja outra pessoa a gerir os seus investimentos ou se quiser investir com pouco dinheiro.

 

4. Não dependa apenas dos seus investimentos para pagar as suas dívidas

Fazer bons investimentos pode ser uma ótima maneira de ver os números na sua conta a aumentar e aumentar, mas deve sempre lembrar-se que nunca se sabe o que poderá acontecer amanhã.

O mundo dos investimentos tem uma componente de imprevisibilidade e, por isso, o melhor que tem a fazer é ver os seus investimentos como uma parcela de um plano de finanças bastante mais vasto.

Por outras palavras, lembre-se de que os seus investimentos não são a única resposta aos seus problemas financeiros.

 

5. Mantenha-se informado

Não há nada como estar a par das tendências dos mercados e do estado da economia nacional e global para garantir que consegue gerir o seu portefólio de investimentos da melhor maneira possível. Leia livros, explore blogs e websites, fale com investidores mais experientes… mantenha-se informado!

 

Começar a realizar investimentos financeiros

Como vê, há algum trabalho de casa a ser feito antes de fazer o seu primeiro investimento, mas utilizando os recursos certos, vai entender como tudo funciona em menos de nada. Boa sorte!

Se você gostou"5 dicas simples para começar a fazer investimentos financeiros"
Você também pode gostar de:

HÁ MAR E MAR, HÁ DIREITOS DO MAR!
HÁ MAR E MAR, HÁ DIREITOS DO MAR!
Saber
6 DICAS PARA SER UM ADVOGADO DE SUCESSO
6 DICAS PARA SER UM ADVOGADO DE SUCESSO
Saber
LIVROS QUE NOS “ENDIREITAM”
LIVROS QUE NOS “ENDIREITAM”
Saber

É Advogado ou Solicitador?